quarta-feira, 15 de junho de 2011

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

domingo, 5 de julho de 2009

Psiquismo, uma ilusão onde o bem e o mal residem

Controle da mente, hipnose de reprogramação, mudança de DNA, indução, linha do tempo e outros são apenas paliativos que atingem o psiquismo. Até que ponto esses recursos mudam mesmo uma pessoa?

Desde que os Estados Unidos começaram a lançar livros de auto-ajuda, a humanidade tem se voltado cada vez mais para técnicas que prometem mudanças rápidas e eficazes nos padrões de comportamento, limpeza do passado triste ou doloroso, libertação de traumas e até mudança de DNA.
Não podemos negar que os resultados chegam com certa prontidão, no sentido de que a pessoa fica por algum tempo mais envolvida consigo mesma, mais otimista com relação ao sucesso que poderá alcançar na vida, além de aprender responder aos percalços do caminho com mais otimismo. Porém, em que parte do composto humano essas técnicas atuam?
Nas últimas décadas temos nos envolvido tanto com o avanço da medicina, seus antibióticos potentes e exames minuciosos proporcionando a rápida recuperação dos pacientes, que desejamos imprimir o mesmo imediatismo nas questões psíquicas.
Da mesma forma, com o crescente número de igrejas que ensinam seus fiéis a exigirem de Deus mudanças radicais em suas vidas materiais em troca da fé e do dízimo que lhe ofertam, evidencia-se um novo padrão de comportamento humano. Na verdade, não sei se é tão novo assim, já que o próprio Sr. Jeová, ao tempo em que elegia profetas para falarem em Seu nome, fazia barganhas como essas com seus escolhidos.
Na pressa ou imediatismo que envolve a busca por resultados se escondem uma crença padronizada de que algo externo vai mudar seu modo de ser, sua condição financeira, seu nível de satisfação para consigo mesmo e para com o mundo como um todo. Ou seja, uma crença imperiosa de que a responsabilidade de qualquer mudança não recai sobre seus próprios esforços, mas na competência de outrem.
Não é à toa que a cirurgia plástica tem feito tanto sucesso no mundo. Ela é capaz de trazer resultados rápidos para uma mudança efetiva da aparência com a qual não se está satisfeito.
E o ponto é justamente este: aparência!
Ao se verem ofertadas receitas práticas de operar mudanças íntimas, pessoais e inadequadas, muitas vezes desagradáveis até ao convívio social, as pessoas se inclinam a comprar aquela que se lhe pareça mais rápida ou eficaz, conforme o sistema de crenças de cada um.
A questão é que o conjunto psíquico que compreende comportamentos, reações humanas e até emoções, não passa de uma roupagem aparente que esconde o verdadeiro eu que há em todos nós, essencialmente falando. E tudo o que é superficial ao ser interior é acessório para o espírito, que necessita dessa roupagem para viver as experiências terrenas. Disto se deduz que tanto o corpo quanto o psiquismo são meros instrumentos dos quais o espírito se serve para se lapidar intimamente, mas jamais serão o seu eu verdadeiro.
Da mesma forma como a cirurgia plástica altera o que há de indesejável em seu corpo físico, técnicas de PNL, hipnose, indução e reprogramação mental alteram o que há de indesejável em sua personalidade. E a pressa de mudar é tanta que não se perde tempo em procurar outra via de mudança.
Todavia, se nem o corpo físico nem a personalidade são de fato você, como esses paliativos de mudança podem ajudar você a mudar?
Na verdade, não podem muito. É muito válido ter uma aparência melhor para ser aceito na sociedade. Semelhantemente, é muito válido um temperamento moderado para quem deseja adquirir um conjunto de comportamento mais equilibrado. Mas você não vai se tornar um espírito melhor por conta dessas mudanças exteriores.
O problema está em conhecer a medida do que é ser melhor. No mundo de ilusões em que vivemos, atuando com um corpo ilusório e um psiquismo também feito de ilusão, não se objetiva a outro resultado senão a aprovação do seu semelhante, dentro dos próprios padrões de aceitação que desenvolvemos em nossa sociedade, ou seja, dentro dos padrões que regem essa transitoriedade que, para o espírito, é totalmente ilusória.
Nenhuma técnica de atuação psíquica pode lhe dar resultados eficazes no sentido de progressão espiritual como a meditação.
É o mestre Paramahansa Yogananda quem nos revela, no livro Autobiografia de um Iogue, que toda verdade, luz e cura estão dentro de nós mesmos, e não em algum lugar fora.
O mestre Yogananda ensina a prática da meditação, na qual se deve perguntar “o que há por trás dos meus olhos fechados?”. No intervalo entre a inspiração e a expiração, no silêncio que a meditação e a prática da respiração proporcionam à mente superior, aos poucos a resposta surge, como um véu interior que se descortina deixando emergir a luz da verdadeira consciência.
Quem desperta a luz da própria alma, que é a verdadeira consciência do espírito, consegue um nível de equilíbrio interior que se reflete pouco a pouco na roupagem tanto corpórea quanto psíquica
Se o corpo físico é repositório para um sem número de males, o corpo psíquico também o é, com o agravante de servir como morada para a maior expressão da dualidade: o bem e o mal.
Se há um fundamento transcendental para a profecia do Juízo Final, quando haverá a separação do joio e do trigo (metáfora para mal e bem, respectivamente), ele certamente está relacionado a este nossos tempos em que, sem poder compreender os afãs do espírito, impregnamos nosso psiquismo com aquela tal “pressa da melhora”. Apenas o foco da mudança está equivocado: não é mudando o corpo ou o psiquismo que nos libertaremos do mal ou, mais profundamente, da dualidade que o abraça, mas sim mergulhando em nosso próprio íntimo até que se acenda a luz de nossa alma.
Não há outra forma de se obter saúde integral ou consciência desperta. Se você deseja uma mudança efetiva, uma evolução segura e equilíbrio total, deve se habituar à prática da meditação que o libertará de toda e qualquer forma de apego, esse grilhão atroz que elegeu o corpo como principal veículo do ser e o psiquismo como o próprio ser.
Lúcia Roberta Mello

sábado, 18 de abril de 2009

Palestra com Jan Val Ellam no Rio de Janeiro


clique na imagem para ampliar

terça-feira, 14 de abril de 2009

sexta-feira, 10 de abril de 2009

O Poder da Mente contra a Obesidade

Dr. Ysao Yamamura, chefe do AO, setor de medicina chinesa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), desenvolveu uma técnica que utiliza o poder da mente no combate à obesidade. Ele a chama de Qi Mental (Ki para os japoneses e Chi para os chineses: diz respeito à energia pessoal).
A técnica consiste, basicamente, em educar a mente para que ela projete na memória uma imagem magra de si mesmo e mantê-la positiva no sentido de acreditar que tudo é possível.
Para o Dr. Yamamura, a técnica do Qi Mental é de extrema importância, uma vez que a causa emocional que cada um possui para desenvolver a obesidade é diferente, própria do seu sistema de crenças e comportamentos mentais.
Os tratamentos que incluem essa técnica têm dado melhores resultados do que aqueles que a desprezam; aliás, isto não apenas no caso da obesidade, mas também nas demais patologias de fundo emocional.
A PNL (Programação Neurolinguística) também usa os mesmos princípios para ajudar a combater a obesidade. Em seus consultórios há uma lista interminável de causas relacionadas, e para todas elas há uma ou mais imagens associadas, o que corrobora a teoria do Dr. Yamamura de que “a mente trabalha com a imagem, e não com o peso”.
Trabalhar com a mente para combater a obesidade também é o foco de Louise Tommasi, psicóloga, em seu livro “O Ser Magra em um Corpo Gordo: a incoerência entre o ser e o estar”.
Neste livro, Louise narra a experiência pessoal de conviver e superar o “efeito sanfona”, padrão extremamente comum da instabilidade emocional relacionada ao peso e à auto-imagem.

Referências na internet:
http://dietaja.uol.com.br/Edicoes/111/artigo12722-1.asp
http://osermagraemumcorpogordo.blogspot.com/

O Prof. Dr. Ysao Yamamura é o presidente-fundador do Center AO, Professor Associado Livre Docente e Chefe do Setor de Medicina Chinesa-Acupuntura do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Dedica-se inteiramente ao ensino e à pesquisa em Medicina Chinesa e Acupuntura, orientando teses de mestrado e doutorado no Departamento de Ortopedia e Traumatologia da universidade e co-orientando diversas teses conduzidas em outras disciplinas e departamentos na área de acupuntura. Vários de seus trabalhos mereceram prêmios em âmbito internacional.

O Center AO - Centro de Pesquisa e Estudo da Medicina Chinesa – fundado pelo Dr. Ysao Yamamura – é uma instituição ligada ao ensino, à pesquisa e ao atendimento assistencial em Medicina Chinesa e Acupuntura.

Louise Tommasi é psicóloga e jornalista. Trabalha com hipnose, tarô, astrologia, reprogramação mental e emagrecimento. Também é professora de português para estrangeiros na Suiça. Criou vários blogs que falam de amor, poesia, comportamento, dependência afetiva e emagrecimento. Escreveu 3 livros e atualmente está envolvida na criação do seu novo romance: A transformação da gorda Karina – de larva à borboleta.

O Ser Magra em um Corpo Gordo - a incoerência entre o ser e o estar

capa-Magra

É trançando os fios da alma e rebuscando os sentimentos que Louise Tommasi alivia os pratos da sua balança.

Numa abordagem inédita e bem dosada, O Ser Magra em um Corpo Gordo – a incoerência entre o Ser e o Estar – é um compêndio autobiográfico com o qual a autora tem levado a diversas pessoas o benefício deste seu método de bem-estar físico e psicológico.

Louise aborda o equilíbrio entre o ser e o estar como ponto fundamental para se manter a forma desejada, mas revela seu segredo com relação às vantagens que o conhecimento de si mesmo e o uso da programação mental trazem ao processo da conquista do peso ideal.

O Ser Magra em um Corpo Gordo... dá um basta na árdua peregrinação entre a balança, os livros de regimes e as listas de dietas para emagrecer ou engordar, ofertando ao leitor a idéia de uma fórmula individual que coloca o bem-estar geral acima de qualquer sacrifício.